Felipe Moritz

Nasceu em Florianópolis (1973), onde aos sete anos de idade iniciou seus estudos de música. Em 1992, mudou-se para São Paulo – Capital – permanecendo por quatro anos, tempo que cursou a Universidade Livre de Música – ULM. Durante este período teve a oportunidade de aprimorar e de exercer a sua profissão em diversos campos de atuação, tais como bailes, gafieiras, shows, gravações, bares e atividades didáticas. Dentre os principais trabalhos desta fase estão: Quinteto de Saxofones Sóprasax – 1993 (Fundador), Dalvan – 1993/94 (Cantor Sertanejo), Adalberto e Adriano – 1995 (Dupla sertaneja), Orquestra de Baile “Linha de Frente” – 1993/95, Orquestra de Gafieira “Leopoldo de Tupã” – 1995, Big Band do Brooklin – 1995, entre outros.

 

Em 1996, ao retornar para Florianópolis, logo ingressou na Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, na qual concluiu o curso de Licenciatura em Música, em 2003, e defendeu sua Dissertação de Mestrado em 2015. Paralelamente a estas atividades de pesquisa e capacitação, fundou e participou enquanto instrumentista de vários grupos na capital, entre eles a Banda Cambucá – 1996, Banda Estamos a Bordo – 1996, Grupo Metal Brasil – Septeto Instrumental de Música Brasileira – 1999 (Fundador), Big Band do Stagium 10 – 1999, Jorge Coelho e Banda – 1999, Orquestra Sinfônica do Estado de Santa Catarina – (2000 a 2006), Banda Ponte Aérea – 2000, Saxteto Instrumental – 2002, Grupo de Choro Corda Viva – 2002, Grupo de Choro Garapuvu (2006), Projeto Piazzolla (2006), Camerata Florianópolis (2007 a 2019), Orquestra Sinfônica de Florianópolis – OSF (2007-2008), Orquestra Experimental de Música Brasileira Contemporânea (2014-2015), Grupo Expresso Rural (2017), The Back Street Band (2018-2019), entre outros.

     Como educador, participou de vários projetos de cunho social tais como “Música e Dança para Crianças Especiais”, “A Banda na Escola” (autor) e “Orquestra Sinfônica nas Comunidades – OSCOM”. Em 2005, lecionou a disciplina de “Arranjo” na Universidade do Planalto Catarinense UNIPLAC (Lages). Além disso, foi professor fundador do Conservatório de Música Popular Cidade de Itajaí – no qual atuou de 2007 a 2012 nas disciplinas saxofone, flauta transversal e prática de conjunto -, e da Escola Livre de Música de Florianópolis – no qual atuou de 2013 a 2016 como coordenador pedagógico e professor de saxofone e flauta transversal. Atuou também como coordenador pedagógico e professor de sax e flauta no TUM SOUND FESTIVAL nos anos de 2017 e 2018.

Na atualidade, atua profissionalmente como instrumentista, professor, compositor e produtor cultural. Enquanto saxofonista e flautista, atual  em diversas áreas tais como gravações, orquestras, big-bands, shows,  eventos, arranjos, etc. No que se refere às atividades didáticas, leciona sax e flauta no Estúdio Felipe Moritz e na Escola de Música Camerata Florianópolis. Enquanto produtor cultural, é presidente do Instituto Arte Movimenta e proprietário do Estúdio de gravação Felipe Moritz no qual atual como técnico e produtor.

     Vem dividindo o palco e estúdio com grandes nomes da música brasileira como Mauricio Carrilho (SP), Nailor Proveta (SP), Artur Moreira Lima, Jorginho do Pandeiro (RJ), Zé Barbeiro (SP), Alegre Corrêa (Áustria-Florianópolis), Renato Borghetti (RS), Oswaldinho do Acordeon, Demétrio Lima, Alessandro Kramer – Bebê (RS), João Donato (RJ), além dos principais músicos instrumentistas do estado de Santa Catarina. Além disso, no cenário orquestral, vem atuando como flautista e saxofonista nas principais instituições do estado: OSF – Orquestra Sinfônica de Florianópolis, OSSCA – Orquestra Sinfônica de Santa Catarina, Camerata Florianópolis, Cia de Ópera de Santa Catarina, Filarmonia e Orquestra Experimental de Música Brasileira Contemporânea.

Siga a Camerata Florianópolis nas redes sociais e no nosso canal do YouTube

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social