Please reload

Últimas notícias

Concerto Erudito em Tubarão - SC

PROGRAMA


Rondo
Wolfgang Amadeus Mozart
Solo: Iva Giracca (violino)


Divertimento em Re maior, K 136
I - Alegro
II - Andante
III - Presto
Wolfgang Amadeus Mozart


Grosse Fugue 
Ludwig van Beethoven


Dança Hungara No 5
Johannes Brahms


Quadros de uma Exibição
1- Promenade – Allegro giusto, nel modo russico, poco sostenuto.
2 - O Mercado em Limoges - Allegretto vivo, sempre scherzando.
3 - Catacumbas, Sepulcro Romano – Largo.
4 - Com os Mortos em Língua Morta - Andante non troppo, com lamento.
5 - A Cabana de Baba-Yaga sobre Patas de Galinha – Allegro com brio, feroce. Andante mosso. Allegro
molto.
6 - A Grande Porta de Kiev – Allegro alla breve. Maestoso. Con grandezza.
Modest  Petrovich Mussorgsky


A Camerata Florianopolis, sob regência do maestro Jeferson Della Rocca, realizará no
dia 11 de novembro, 20h, na Igreja Matriz de Tubarão (CIC), um concerto de musica
clássica para orquestra de cordas, com obras deste gênero (ou transcrições) de
Mozart, Beethoven, Brahms e Mussorgsky.
O evento conta com o apoio do Governo do Estado de Santa Catarina, Secretaria de
Estado do Turismo, Cultura e Esporte, Fundação Catarinense de Cultura, Intelbras, e
Prefeitura Municipal de Tubarão.
Destacam-se no programa a Grosse Fugue, de Beethoven, de grande dificuldade
técnica e musical, que será executada pela primeira vez no Estado e a execução da
versão para cordas dos “Quadros de uma Exibição”, de Mussorgsky, um dos grandes
patrimônios da musica erudita do final do século XIX.
Sobre as Obras:
Com solos da spalla da Camerata Florianópolis, a violinista Iva Giracca, a
orquestra interpretará o Rondo da Serenata Haffner de Mozart, na versão do
violinista e compositor Fritz Kreisler, que se popularizou por suas belíssimas e
virtuosísticas peças para violino e piano e transcrições primorosas. Este Rondo
de Mozart ganhou maior popularidade através da transcrição de Kreisler, que

inclui algumas cadências extras e supressão de uma parte central, do que havia
conseguido em sua forma original.
Quando Wolfgang Amadeus Mozart começou a compor o Divertimento em Ré
maior K.136 , tinha apenas dezesseis anos, mas já era um compositor experiente. Em
dez anos, ele havia assinado mais de uma centena de obras, incluindo cerca de trinta
sinfonias, cinco óperas, diversas sonatas, dez concertos para piano e inúmeras peças
vocais sacras e profanas. Quando retornou a Salzburgo, sua cidade natal, onde
voltou a trabalhar para o príncipe Arcebispo Colloredo, após anos de vida
“nômade”. Durante uma turnê de quatro anos com o pai e a irmã Nannerl, Mozart
realizou inúmeros concertos por toda a Europa. Mozart impressionou por seu
virtuosismo e improvisações no cravo, violino e órgão, mas também conheceu
famosos músicos de seu tempo, mergulhando em diferentes tradições musicais e
descobre as últimas "novidades", incluindo a ópera italiana.
A Grosse Fuge (Grande Fuga), Op. 133, é uma composição de movimento único para
quarteto de cordas, com transcrição para orquestra de cordas, de Ludwig van
Beethoven . Esta enorme fuga dupla , foi fortemente condenada por críticos da
época. Um crítico escrevendo para Allgemeine musikalische Zeitung em 1826
descreveu a fuga como "incompreensível, como chinês" e "uma confusão de Babel”.
No entanto, a opinião crítica sobre este trabalho aumentou de forma constante
desde o início do século XX. Mas agora é considerado entre as maiores realizações
de Beethoven. Igor Stravinsky declarou: "[é] uma música absolutamente
contemporânea que será contemporânea para sempre”.
A Große Fuge originalmente serviu como o movimento final de seu Quarteto No. 13
em B ♭ major (Op. 130), escrito em 1825. Mas o editor de Beethoven, preocupado
com as perspectivas comerciais da peça, pediu a Beethoven que substituísse a fuga
por um novo final, já que a mesma era demasiadamente complexa por seus aspectos
tecnicos e musicais. Beethoven concordou, e a Grosse Fuge foi publicada
separadamente em 1827 como Op. 133. A obra foi composta quando Beethoven
ficou quase completamente surdo.
O alemão Johannes Brahms (1833 – 1897) e seus contemporâneos vienenses
apreciavam muitíssimo a música cigana. Na Viena da metade do século XIX,
proliferavam conjuntos ciganos itinerantes fixando residência nas praças e tavernas
de Viena, tocando sua música melancólica, porém soberbamente espirituosa.
Brahms, um grande admirador da música húngara, teve um de seus primeiros
contatos com esse tipo de música ainda jovem, aos 19 anos, quando acompanhou ao
piano o violinista húngaro Ede Reményi numa tournê. Vê-se diretamente tal
influência nas Danças Húngaras. Elas formam um conjunto de 21 Danças,
originalmente para piano a quatro mãos, com a maioria de seus temas musicais
baseados em canções ciganas da época. A Dança Húngara nº5, na versão orquestral
em sol menor, sem dúvida é a mais popular de todo o conjunto das danças. É

baseada numa melodia de violino, ardente, melancólica, porém ao mesmo tempo
jocosa, refletindo o caráter cigano da obra.
Quadros de uma exposição é uma suite para piano, composta por Modest  Petrovich
Mussorgsky (1839-1881), um dos grandes gênios do nacionalismo musical russo, em
Junho de 1874. Ao visitar uma exposição póstuma de seu grande amigo, o pintor e
arquiteto Viktor Hartmann,  falecido em 1873, Mussorgsky resolveu prestar uma
homenagem ao artista e escolheu dez das telas expostas numa galeria em São
Petersburgo como inspiração. Compôs uma música para cada um dos quadros,
interligando  por  meio de um tema central e quatro intermezzi (variações sobre a
mesma melodia) aos quais deu o nome de Promenade:  “passeio”, que representa o
trajeto dos visitantes pela mostra.
Quadros de uma exposição descreve, em metáforas, através das notas do piano um
passeio pela exposição de quadros, tendo os temas como guia.
A obra, explora a corrente folclórica russa e o estilo de piano é inovador. Composta
numa época em que o piano era explorado como instrumento virtuosístico,
permaneceu praticamente ignorada por vários anos. Mais tarde alguns
compositores, nomeadamente Claude Debussy (admirador  confesso de Mussorgsky)
dedicou-se ao estudo desta suíte.  Apresenta um carácter singular, sendo uma das
mais originais criações que o romantismo deu a este instrumento.
Juntamente com Debussy, em muito contribuiu para a consagração da obra e
popularidade  póstuma de Mussorgsky, o apoio de outro russo, o maestro Sergei
Koussevitzky. Koussevitzky, encomendou ao francês Maurice Ravel uma nova
orquestração para a obra, que em 1922 faz uma transposição exata do espírito da
obra, com total fidelidade à partitura original, aliando à profundidade criadora de
Mussorgsky a genialidade orquestradora, sobejamente reconhecida, de Maurice
Ravel.
A obra estrutura-se da seguinte forma:
Uma breve melodia – Promenade – serve de introdução e intermezzi para os
quadros. Com sua estrutura pentatônica e arcaica alternância rítmica, constitui um
autorretrato sonoro do compositor, como se ele próprio abrisse a Exposição e
conduzisse o ouvinte de uma aquarela para outra.
Na apresentação de hoje, interpretaremos apenas parte da obra, iniciando pela
Promenade No7.
Do tema Promenade, passamos diretamente para O mercado de Limoges, aquarela
em que vendedoras aparecem discutindo furiosamente com os fregueses.
O catálogo original da exposição assim descreve o próximo quadro: “no interior das
Catacumbas, à luz de uma lanterna, aparecem retratados o próprio Hartmann, um
amigo e um guia”. Acordes estáticos e repletos de dissonâncias expressivas mantêm
tenso o clima de mistério. Outra seção, Com os mortos numa língua morta,
introduzida quase sem pausa, apresenta a melodia da Promenade transfigurada em
triste lamento sobre trêmulos de oitavas.

No desenho A cabana de Baba-Yaga sobre pés de galinha, Hartmann evoca a magia
do folclore russo. Baba-Yaga é a feiticeira que habita um excêntrico relógio em
forma de cabana, construído segundo antigos modelos orientais e pousado sobre
pés de galinha. Apesar da graciosa aparência de sua casa, a temível bruxa tem o
hábito de triturar suas vítimas com um pilão.
Dentro do imponente estilo renascentista russo, Hartmann idealizara A grande porta
de Kiev, comemorativa da libertação do czar Alexandre II das mãos de seus
assassinos. Mussorgsky aproveitou-se da grandiosidade do projeto para transformar
a melodia da Promenade em majestoso hino, construído com magnificência
arquitetônica. Na abertura, um tema litúrgico apoia-se em maravilhoso efeito de
sinos no registro grave do piano. O clamor da multidão avoluma-se pouco a pouco,
até que a porta se fecha majestosamente, cortando o tumulto e isolando os
inimigos.

 

Please reload

Please reload

Arquivo

Camerata Florianópolis - Tel: 48 3233 2324 / camerata@camerataflorianopolis.com.br

  • Facebook Social Icon

Curta a nossa fanpage do Facebook!